quinta-feira, 16 de maio de 2013

Greenpeace invadiu feira anual de Mineração para reclamar pela Reserva San Guillermo

adital


Greenpeace invadiu feira anual de Mineração para reclamar pela Reserva San Guillermo
 
Adital
Vinte ativistas do Greenpeace invadiram nesta terça-feira o evento no qual empresários, provedores e autoridades governamentais inauguravam a Feira anual Ar-Minera, em Costa Salguero. Os ambientalistas ingressaram no auditório e abriram cartazes com a legenda "San Guillermo sem mineração” em frente ao Secretário de Mineração, Jorge Mayoral. A organização está reivindicando que se proíba a atividade mineira na Reserva da Biosfera San Guillermo, onde se desenvolvem os empreendimentos Veladero e Pascua Lama de Barrick Gold.
"Essa Reserva é considerada o último lugar silvestre no florestado da América do Sul”, explicou Gonzalo Strano, coordenador da campanha de Geleiras de Greenpeace, "a atividade mineira dentro da Reserva é uma ameaça concreta para suas espécies e seus cursos de água”.
De acordo com as denúncias de Greenpeace, a mineração utiliza substâncias altamente tóxicas, explosivos, implica na remoção de grandes quantidades de rocha e poeira, a construção de diques de COLA que são grandes lixeiros contaminantes, e outras estruturas que afetam o equilíbrio da Reserva.
"Os impactos que a mineração e o projeto Pascua Lama em particular provocam já foram comprovados no Chile, onde o projeto foi suspenso pela Justiça”, sentenciou Strano, "deveria se cancelar o projeto do lado argentino, que está se desenvolvendo em uma área de pergelissolo [solo permanentemente congelado], protegida pela Lei de Glaciares, que deveria ser resguardada”.
A organização ambientalista lançou há algumas semanas uma campanha em nível nacional para conscientizar sobre a necessidade de proteger a Reserva, habitat do puma e área de geleiras, e ambiente periglacial. Mais de 220 mil pessoas já assinaram a petição para que a área esteja livre de mineração.
A notícia é da Imprensa Greenpeace